Em 24 de outubro de 1929, também conhecido como Quinta-Feira Negra, a Bolsa de Valores de Nova York experimentou um dos piores crashes da história. A venda maciça de ações fizeram com que os preços caíssem rapidamente, e a incerteza tomou conta do mercado. Milhares de investidores perderam tudo, e os bancos começaram a falir quando as pessoas retiraram suas economias.

O crash de 1929 não foi apenas sobre Wall Street. A economia americana em sua totalidade estava em sofrimento. A Grande Depressão afetou todos os aspectos da vida nos Estados Unidos. O desemprego disparou, as empresas faliram, e muitas pessoas foram à falência. Até 40% dos bancos faliram no início da década de 1930.

As causas da Grande Depressão foram complexas e muitas. A especulação excessiva em ações, a falha dos bancos em emprestar dinheiro de maneira correta e a produção excessiva de bens que não poderiam ser vendidos foram apenas algumas das causas do crash de 1929.

A resposta do governo à Grande Depressão foi lenta e inadequada. O então presidente Herbert Hoover acreditava que a economia iria se recuperar sozinha, o que acabou se mostrando falso. Em vez disso, a situação só piorou, e muitas pessoas ficaram desesperadas por ajuda.

Foi apenas com a eleição de Franklin D. Roosevelt e seu New Deal que o governo começou a implementar mudanças significativas para ajudar a economia americana a se recuperar. O New Deal incluiu programas como o Works Progress Administration, que criou empregos para os desempregados e ajudou a construir muitas das principais infraestruturas do país.

No geral, a Grande Depressão teve um impacto duradouro na economia americana e na vida das pessoas. Levaria anos para a economia se recuperar, e muitas pessoas foram afetadas para sempre. A queda de Nova York em 1929 foi apenas o começo de uma crise financeira que levou a décadas de dificuldades e mudanças significativas na economia global.